segunda-feira, 10 de outubro de 2016

Semana de consciência da perda gestacional e neonatal

Quem acompanhava o bloguinho soube da nossa perda pelo último post, infelizmente Maria não está conosco fisicamente, mas vive em nós a cada suspiro e a cada lembrança de saudade nesses nove meses lindos que passou conosco.

Nessa tragédia pessoal que vivemos, descobri que a cada 4 mulheres que engravidam 1 perde o bebê, a porcentagem é muito alta, e a dor é maior ainda. Descobri muitas famílias na mesma situação, com dores até maiores se é que seja possível classificar as perdas, enfim, não é exclusivo com a gente. Tem muita gente sofrendo e sem apoio nenhum. 
Em minha cidade não existem grupos e nem pessoas para acolher as famílias, mas através da internet encontrei um site muito bacana: Do luto a luta.
Minha irmã nos presenteou com a cartilha disponível no site, que nos ajudou muito, é uma forma de abraçar quem está longe, se você conhece alguém que esteja passando por essa dor não hesite em compartilhar um material tão rico. Para quem quiser baixar segue o link: Cartilha de Orientação ao luto materno. Uma realização da Ong Amada Helena
E através da internet também conheci casos como o nosso, outras perdas por causas mais variadas possíveis, participo de grupos no whatsapp (se alguém tiver interesse em participar é só mandar o número pelo formulário de contato) nesses grupos uma apóia a outra e juntas vamos sobrevivendo. Tem até um pai que participa do grupinho ele perdeu o filho e a esposa de uma vez só, confesso se fosse comigo já teria surtado.


Bom quanto a nós estamos caminhando, uns dias mais tranquilos, outros com aperto no peito, uns com sorrisos outros com choro o dia todo, não temos controle e não sabemos se vai passar, o período de revolta passou, agora estamos fazendo vários exames para descobrirmos se temos algum problema que possa causar outra perda em uma futura gestação, rezem por nós para que em breve possamos ter nosso arco íris nos braços e darmos um irmão ou irmã para Maria.


Estamos na semana de consciência da perda gestacional e neonatal: de 9 a 15 de outubro. 
Aproveite para divulgar e ajudar famílias que sofrem com essa perda tão dolorida.
Uma oportunidade de homenagear a breve passagem dos bebês em nossas vidas e demonstrar que jamais serão esquecidos.

No facebook tem uma campanha para alterar a foto de perfil temporariamente, eu já troquei a minha e agradeço aos amigos que trocaram em solidariedade a nossa dor!
Se você vive essa dor ou conhece alguém que passou por ela, mude a sua foto essa semana também. 
Os dois marmotas (foto do nosso casamento civil)





Quem escreve:
Mah
Marcela Miranda Narciso ou a Mah, tenho 34 anos sou de Cachoeira Paulista, interior de São Paulo. Formada em Comunicação Social, apaixonada pelas recém casadices!





quinta-feira, 25 de agosto de 2016

Carta da Mamãe para a Filhinha - Luto

Bom dia minha filhinha!
Mamãe está com saudades!
Hoje resolvi escrever uma cartinha para você, sei que você já sabe de tudo que aconteceu com a gente, mas a mamãe precisa arrumar um jeitinho menos doloroso de contar para os amigos um pouquinho da nossa história.
Dia 01 de dezembro mamãe fez um exame de sangue e descobriu que a vida dela ia mudar completamente, contamos para o papai, para os avós e tias! Depois foi a vez do restante da família e dos amigos se alegrarem com a notícia, de dentro da barriga da mamãe você pode sentir o quanto foi amada, querida e esperada! Todo mundo se alegrou e foi uma festa só!!!
Uma semana depois, recebemos uma notícia muito ruim, Papai tinha perdido o emprego, mas isso nos fortaleceu ainda mais, e ele deu um jeitinho em tudo para não faltar nada pra gente! Papai pode levar e buscar a mamãe no trabalho todos os dias, e fazer um almoço bem gostoso pra gente, muitos pratos que ele aprendeu cozinhar na internet, nessas horas a gente pensava Deus escreve certo por linhas tortas, se ele estivesse trabalhando no antigo emprego não poderia curtir esses meses que aproveitamos juntos!
As semanas foram passando e tudo foi correndo conforme o esperado! Você crescendo e fazendo o nosso amor crescer a cada dia! Mamãe não sentiu nenhum incômodo e nenhuma dor durante toda a gravidez, nossos exames eram todos muito bons, nem enjoo a mamãe teve, tirando aquelas duas vezes do abacate (acho que você não é palmeirense mesmo neh).
Foram os nove meses mais deliciosos das nossas vidas, mamãe e papai, sonhavam com seu rostinho e com seu jeitinho todos os dias, ficávamos imaginando suas primeiras palavras, seus primeiros passos, a cor dos seus olhos, você de bailarina, suas artes, seus livrinhos de histórias, suas festinhas e sua primeira formatura, até chegar no primeiro namorado e papai falar: ah vamos deixar isso mais pra frente!
Foram nove meses tranquilos e felizes, sem dor, sem preocupações, nove meses de muitas guloseimas que ganhamos do papai, da vovó, tias, tios e primas. De vários presentinhos, carinhos e visitas gostosas. De um chá de bebê lindo, cheio de amigos! De muitas fotos, que hoje estão numa pastinha que só de ver mamãe já chora de saudade. De muita expectativa para sua chegada!

Mas, somos pequenos para entender os desígnios de Deus, 3 dias antes da cesárea a mamãe começou a sentir as famosas contrações, mas nenhuma dor de outro mundo, totalmente suportável, e fomos para o hospital, mamãe estava com medo, mas muito feliz, afinal era sinal que você estava chegando. Infelizmente depois de horas de exames, esperas e alternância entre 3 hospitais, recebemos a pior notícia das nossas vidas, você já não estava mais entre nós, agora era nosso anjo de luz.

Passei por todos os procedimentos médicos, uma cesárea sem bebê chorando, um bercinho com uma bonequinha linda que parecia dormir mas que nunca iria acordar, voltar para casa sem você nos braços, foi uma dor que nunca imaginamos passar, sem o apoio da família e dos amigos acredito que não estaríamos em condições de falar no assunto. A equipe médica não encontrou nenhuma alteração no líquido, na placenta ou em você, todos afirmaram que foi uma fatalidade, que você provavelmente se enrolou no cordão e ficou sem ar, ai entrou em sofrimento, minha sapequinha que não parava de pular na barriga, mesmo quando o espaço era pequeno, (que saudades dos seus pulinhos).
Pensar que essa fatalidade poderia acontecer daqui um ano antes da sua festinha de um aniversário, ou poderia ser um acidente saindo da escolinha ou uma violência na adolescência, nos deixa mais aliviados, afinal você pouco sofreu, mamãe não sentiu nenhuma dor, como em toda gestação, você já cuidava bem da mamãe, e continuará cuidando ai do céu.

Depois da raiva e da revolta, nosso coração ficou mais calmo deu espaço ao amor e a saudade, de tudo que passamos e de tudo que não pudemos viver com você!
Recebemos tanto carinho e tantas orações que nos mostram a cada dia o quanto somos queridos e quanto Deus nos ama.
Agora vivemos um dia de cada vez, uns dias mais fáceis outros de lágrimas constantes, mas é um dia de cada vez! Sabemos que era pra ser assim, mesmo que a dor pareça insuportável, nós um dia compreenderemos tudo isso e seremos gratos por tudo de bom que vivemos com você, até nos reencontramos novamente!
Temos fé que Deus não irá nos desamparar nessa caminhada!
Contamos com as orações de todos vocês!!
Seremos sempre uma família: Mamãe, Papai e Maria Antônia, e os outros irmãozinhos que Deus te conceder! Se assim for da vontade D'Ele.
Amamos você nosssa filhotinha <3

Pretendo continuar a escrever por aqui, mesmo que ninguém leia ou acompanhe, parece ser uma forma de tornar a saudade mais branda, ocupar a mente com coisas alegres e sonhos!

Rezem por nós!
Com carinho: Mah

Quem escreve:
MahMarcela Miranda Narciso ou a Mah, tenho 34 anos sou de Cachoeira Paulista, interior de São Paulo. Formada em Comunicação Social, apaixonada pelas recém casadices!





Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...